quarta-feira, 21 de janeiro de 2009

Processamento Auditivo Central: PAC

Para conseguirmos ouvir necessitamos da integridade de todas as estruturas do no sistema auditivo। As estruturas envolvidas no processo da audição são didaticamente divididas em três grupos, o ouvido externo, ouvido médio e ouvido interno
1- O ouvido externo é composto pelo pavilhão auricular e o canal auditivo
2- O ouvido médio é formado pela membrana timpânica e, a cadeia ossicular ( martelo, bigorna e estribo)
3- O ouvido interno é composto pela cóclea e os canais semicirculares.
Como ouvimos os sons?O pavilhão auricular é responsável por captar os sons provenientes do ambiente, que são conduzidos pelo canal auditivo até chegar a membrana timpânica. O tímpano recebe então esta vibração vinda das ondas sonoras e, a transmite aos ossículos, movendo o martelo que faz vibrar a bigorna e por sua vez vibra o estribo. O estribo está anatomicamente ligado à cóclea pela janela oval (pequeno orifício), que lhe transmite o sinal elétrico. A cóclea está conectada ao nervo vestíbulo-coclear, VIII par craniano, que envia a este o impulso nervoso. O impulso nervoso é conduzido ao centro de audição do córtex cerebral, que é responsável por interpretar estes sinais nervosos.

O que é Processamento Auditivo Central (PAC)? “Processamento auditivo se refere aos processos envolvidos na detecção, na análise e na interpretação de eventos sonoros. Estes processos acontecem no sistema auditivo periférico e no sistema auditivo central. É desenvolvido nos primeiros anos de vida, portanto é a partir da experienciação do mundo sonoro que aprendemos a ouvir.” É o processo de decodificação das ondas sonoras desde a orelha externa até o córtex cerebral, ou seja, a capacidade de analisar, associar e interpretar as informações sonoras que nos chegam pelo sentido da audição.Quais são as habilidades auditivas centrais testadas?Como ainda não conseguimos identificar com detalhes como o sistema auditivo realiza o processamento auditivo, identificamos algumas habilidades que devem ser testadas:
Atenção seletiva: é a capacidade de selecionar estímulos, é avaliado através de estímulos verbais de escrita dicótica.
Detecção do som: é a capacidade de perceber, identificar a presença de um som , é avaliado através de audiometria , discriminação vocal , timpanometria e pesquisa de reflexo.
Sensação sonora: é quando um estímulo é recebido pelo sentido da audição , é quando o indivíduo tem a sensação se o som é alto ou baixo , forte ou fraco ,longo ou curto.
Discriminação: é o processo de detectar diferenças entre os estímulos sonoros.
Localização: é saber local da origem do som, é avaliado através da localização sonora em cinco direções.
Reconhecimento: requer aprendizado, é avaliado através de logoaudiometria pediátrica, para o reconhecimento de frases na presença de mensagem.
Compreensão: dar significado ao som escutado.
Memória: arquivar informações e recuperá-las quando houver necessidade , é avaliado através de memória seqüencial para sons verbais (pa ,ta, ca) e não verbais (guizo, coco, sino, agogô).

DPAC X TRANSTORNOS DE APRENDIZAGEM
O que é um distúrbio do processamento Auditivo Central (DPAC)? “É uma falha no desenvolvimento das habilidades perceptivas auditivas”; mesmo com audição normal, é totalmente diferente de perda auditiva. Em geral encontra-se associado a dificuldades de aprendizagem.Crianças portadoras de distúrbio de aprendizagem tem dificuldades em vários aspectos do processamento auditivo lingüístico e apresentam falhas cognitivas .É possível que comprometimentos lingüísticos ou cognitivos possam ser resultantes de problemas perceptuais.

Sintomas do Distúrbio do processamento Central Auditivo (DPAC):
- Apresenta dificuldade em manter atenção aos sons;
- Dificuldade em escutar em ambientes ruidosos;
- Dificuldade na aprendizagem da leitura e escrita;
- Dificuldade em compreender o que lê;
- Necessidade de ser chamado várias vezes ("parece" não escutar);
- Não entende o que foi dito;
- Solicita com freqüência a repetição das informações: Ah? O quê? Pode repetir?
- Dificuldade em entender expressões com duplo sentido ou piadas ou idéias abstratas;
- Dificuldade ao dar um recado ou contar uma história;
- Problemas de memória para nomes, datas, números e etc;
- Dificuldade em acompanhar uma conversa, aula ou palestra com outras pessoas falando ao mesmo tempo;
- Problemas de fala (troca /L/R/S/E/CH/), principalmente os sons /R/ e /L/;
- Alterações de pronúncia;
- Dificuldade em localizar a origem dos sons.
- Dificuldades com o significado das palavras;
- Inversões de letras;
-Dificuldade em associar letras do alfabeto com seus respectivos sons;
- Rendimento escolar Inferior em leitura, gramática, ortografia, matemática;
- Dificuldade em aprender uma língua estrangeira.

O que pode causar o DPAC?
 - Genética, um grande número de casos é hereditário, pais e filhos apresentam características semelhantes;
- Otites freqüentes durante os 3 (três) primeiros anos de vida (Processos alérgicos respiratórios, tais como sinusites, rinites e até mesmo refluxo gastro-faríngeo estão comumente associados);
- Permanência em UTI-Neonatal por mais de 48 horas;
- Experiências auditivas insuficientes durante a 1ª infância.

Os sintomas comportamentais de crianças encaminhadas para a avaliação do PAC:
- Crianças com alteração de comportamento, de atenção e dificuldades auditivas não orgânicas.
- Crianças com suspeita de distúrbio de aprendizagem, cuja queixa é apresentada pelos pais ou professores.
- Crianças encaminhadas por apresentarem distúrbio de comportamento social.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS1 CIASCA, S. M. (org.) Distúrbios de aprendizagem: proposta de avaliação interdisciplinar. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2003, 220p.2 MÖOJEN, S. M. P. Caracterizando os Transtornos de Aprendizagem. In: BASSOLS, A. M. S. e col. Saúde mental na escola: uma abordagem multidisciplinar. Porto Alegre: Editora Mediação, 2003.3 AMERICAN PSYCHIATRIC ASSOCIATION. Manual diagnóstico e estatístico de transtornos mentais. 4ª edição. Porto Alegre: Artes Médicas, 1994.4 http://www.nimh.nih.gov/publicat/learndis.htmFonte imagem:



http://www.coladaweb.com/corpohumano/audicao.htm

37 comentários:

  1. Muito interessante o artigo, serviu para ampliar meus conhecimentos pois meu filho tem esse diagnóstico. Gostaria de saber sua opinião quanto ao trabalho pedagógico.
    Uma vez que a escola é informada que o aluno tem essa dificuldade, que procedimentos devem ser tomados para que possam auxiliar este aluno na aprendizagem?

    ResponderExcluir
  2. Olá Claudinha, o melhor encaminhamento é acompanhamento fonoaudiológico.
    Quanto à escola é necessário que sejam feitas as adequações que seu filho necessita, o professor precisa ser orientado em relação aos ajustes que garantam a melhor compreensão do conteúdo. Para mais esclarecimentos mande-me um e-mail esclarecendo melhor a situação: andrawma@yahoo.com.br
    Atenciosamente Psicopedagoga Andréa Wolney

    ResponderExcluir
  3. Boa tarde! Tenho um filho que sofre de TDA e gostaria de saber se há algum órgão público que atende gratuitamente este problema. Ele tem 17 anos e só agora descobrimos. Por favor estou desesperada para ajudá-lo. Me enviem tudo que puderem sobre o problema. Obrigada. Sandra/SP san-teixeira@hotmail.com

    ResponderExcluir
  4. Olá Sandra,
    Aqui em Brasília quem faz este acompanhamento nas escolas públicas são as Equipes Psicopedagógicas. Aí em São Paulo não tenho conhecimento. Uma alternativa interessante é o trabalho como Programa de Enriquecimento Instrumental - PEI, você vai encontrar aqui nas postagens do meu blog informações a respeito e buscar parcerias aí na sua região...
    Estou a disposição para outros esclarecimentos.
    Andréa

    ResponderExcluir
  5. Olá Sandra

    Gostaria de saber se o Psicopedagogo também atende crianças com este distúrbio de processamento auditivo central ou se só a fono.

    Obrigada.

    ResponderExcluir
  6. Olá, me chamo Ana Emília, sou mãe de uma criança com diagnóstico, ainda não fechado, de TDAH. Moro atualmente no RJ, mas de mudança marcada, p/ Jan/11, p/ o DF. Estou muito preocupada com o efeito que essa mudança fará no comportamento do meu filho, que tem apenas 5 anos. Gostaria de uma ajuda, se puder, com relação à escolas que estejam melhor orientadas a receber um aluno com o transtorno. Já que ele terá que enfrentar a fase de adaptação, num período importante da vida escolar, a alfabetização, que seja numa escola preparada p/ ajudá-lo.

    Grata desde já pela compreensão e atenção.

    ResponderExcluir
  7. Bom dia! Tenho um filho de 8 anos que já faz tratamento de fono, audio, psicologo e recentemente passou com neuropediatra, a qual solicitou uma serie de exames neurologicos, dentre eles, ressonancia, X-Fragil, Coriotipo cab. G e ávaliação neuropsicologica. Até o momento os medicos achavam que era apenas PAC, mas agora acham que envolve outros casos. Não sei se estou no caminho certo. Estou desesperada, pois meu filho ainda não lê nem escreve. Gostaria de ter suporte de um profissional na alfabetização dele. Este ano ele está refazendo o segundo ano na escola a meu pedido. Mas no ano que vem ainda não sei o que fazer. Vanessa Dias (vanessdias@gmail.com)

    ResponderExcluir
  8. Kelen ferreira(kelenapferreira@hotmail.com)28 de setembro de 2010 09:23

    Olá Andrea!Meu filho foi diagnosticado com transtorno da infancia(tem auto estima baixa)e faz terapia de grupo com psicologo e psicopedagogo 2 x por semana.Ele apresenta dificuladades em dar recados e seguir ordens do tipo: Vá buscar sua mochila e sua lancheira! ele vai até o local e não se lembra do que foi fazer ali.A psicologa pediu que fizesse o PAC,ele fez e foi diagnosticado transtorno do processamento auditivo central.mas ele tem QI médio superior ,vai muito bem na escola,não apresenta nenhum tipo de dificuldade de aprendizado em nenhuma matéria,inclusive ingles.Será que eese diagnostico pode estar errado?Você acredita que esses sintomas possam ser por outro motivo?Ah!Ele nasceu de 36 semanas com pneumonia e ficou na UTIN por 10 dias.

    ResponderExcluir
  9. Olá Kelen,
    Qual é a sua maior preocupação com seu filho? Ele tem dificuldades de interação social? é contrário ao acolhimento de regras?
    Se a aprendizagem vai bem e não existem complicadores maiores não dê aos diagnósticos importância maior do que eles realmente tem. Diagnósticos servem apenas para nos orientar sobre o melhor caminho a seguir na condução do trabalho a ser desenvolvido.Invista no resgate da auto-estima, e para isto vc já está sendo orientada,acredite, seu filho irá lhe surpreender!
    Atenciosamente Andréa

    ResponderExcluir
  10. kelen Ferreira(kelenapferreira@hotmail.com)28 de setembro de 2010 18:42

    Oi Andrea!
    Muito obrigada mesmo pela sua atenção e suas orientações.É muito bom quando encontramos profissionais tão dedicados assim.Parabéns pelo trabalho,dedicação,seriedade e rapidez na resposta!
    Grata sempre!
    Kelen Ferreira

    ResponderExcluir
  11. Ola Andréa,
    gostaria se possivel que vc me indicasse alguns fonos que atendem crianças com o PAC aqui em bsb.
    Grata
    Mariana

    ResponderExcluir
  12. Ola Andreia tenho uma filha com 6 anos e tem diagnostico de alteraçao de pac ela faz tratamento com fono e psipedagoga mas na escola tem problemas de se relacionar o que eu faço?

    ResponderExcluir
  13. Olá Lisa,
    o trabalho pedagógico é gradual e contínuo, as observações do desenvolvimento devem ser registradas para que os avanços sejam percebidos. Tais registros devem envolver o desenvolvimento global da aluna e isto inclui os relacionamentos interpessoais, no entanto não será possível observar ganhos se estes aspectos não estiverem sendo trabalhados na escola. É necessário que se faça um trabalho conjunto: escola e psicopedagogo principalmente.

    ResponderExcluir
  14. Olá Andréia,
    sou estudante de pedagogia e estou ccom um trabalho na disciplina de educação especial para realizar,trata-se de uma anamnese, escolhi uma criança com DPAC por ter me interessado muito pelo caso, porém estou com receio do meu trabalho não ser aceito pelo professor, pois ele quer uma criança com deficiência.
    DPAC é considerada uma deficiência ou um defcit?
    Meu professor de neurociência não soube me responder.Eu pesquisei no DSM IV e também no CID, mas não encontrei nada.
    Att;
    Tatiana Flores
    tatianapf@ucb.br

    ResponderExcluir
  15. Olá Tatiana,
    O DPAC não é caracterizado como deficiência e sim um transtorno de aprendizagem. Incluem-se como deficiências: auditiva, visual, intelectual e física.Segundo Allan Ross:
    "Considere a que a criança com transtornos de aprendizagem é uma criança cujo desenvolvimento se processou mais lentamente do que outras crianças, especialmente na área da atenção seletiva. Não considere essa criança defeituosa, deficiente ou permanentemente inapta."

    ResponderExcluir
  16. Olá, Andrea!!! Há 3 anos meu filho, hj com 9 anos, fez diversos exames e foi diagnosticado PAC. Desde então fazemos acompanhamento, com fono, psicologa, neuro e na escola não tenho queixas, porem a fala dele continua praticamente do mesmo jeito(som. Melhorou mt na pronuncia, mas na maioria das vezes o percebo mt introspectivo... Há um ano não faz mais acompanhamento com fono, somente com psicologa, por tb não entender a completa e total ausencia do pai.Enfim...
    Acredito no potencial do meu filho, o estimulo bastante e o tempo td, porem, as vezes, fico receiosa. Isso vai passar? Tenho que refazer os exames? Grande Abraço!

    ResponderExcluir
  17. Olá Andréa

    Gostaría em primeiro lugar lhe parabenizar pelo blog e principalmente ao abordar o tema em questão, sou psicopedagoga e meu filho de 8 anos é portador do disturbio do processamento auditivo central e tdha, o percurso de nós mães estando na área ou não, até realmente se conseguir um diagnóstico preciso normalmente é muito prolongado, profissionais da área da saúde difícilmente estão preparados para os devidos encaminhamentos, tornando aos responsáveis um processo desgastante e augustiante.

    ResponderExcluir
  18. Olá Luciana,compreendo a sua preocupação em relação aos problemas enfrentados por seu filho. Acredite que com o tempo e os encaminhamentos adequados as dificuldades serão atenuadas. Acho importante um acompanhamento com um psicopedagogo para que o seu filho possa entender melhor o seu processo de aprendizagem (metacognição), e com o fonoaudiólogo para superar dificuldades específicas do problema dele. Quanto aos exames só serão necessários se os profissionais que estiverem trabalhando com ele sentirem necessidade para direcionar melhor o trabalho que está sendo desenvolvido.O mais importante vc já tem feito que é acreditar e valorizar o pontecial dele. Parabéns com sensibilidade e persistência vc vai encontrar as respostas para seus questionamentos.

    ResponderExcluir
  19. Concordo com você Tatiana, a dificuldade em fechar diagnósticos nesta área é realmente desgastante, no entanto é possível buscar alternativas enquanto não se tem um laudo médico buscando fazer as adequações que ele necessita.Felicidades,Andréa

    ResponderExcluir
  20. Olá Andréa,
    Adorei o blog, pois com os comentários de outros pais na mesma situação faz com que a gente veja que o nosso filho tem uma coisa que várias crianças tem, meu filho está com 7 anos, e somente agora foi diagnosticado que ele tem déficite de atenção e disturbio no processamento auditivo central, ele está em uma escola boa, que usa o método do positivo, mas nossa preocupação é se esta escola é uma boa opção para ele, tendo em vista ser bastante puxada,começou agora no segundo ano, e confesso que estou bastante angustiada, ele fez ano passado, quase todo ano, trabalho com psicopedagoga e já tinha feito no inicio do ano trabalho com a fono, mas confesso que não vi muita melhora enquanto ele fazia acompanhamento com psicopedagoga, notei que ele melhorou mais com a fono, gostaria da tua opinião sobre o funcionamneto e o tempo que as coisas começam a melhorar, e se estou no caminho certo, e se crianças com este problema conseguem aprender?
    Desde já agredeço.

    ResponderExcluir
  21. Olá Deisi,
    Fico feliz em saber que as informações postadas aqui no blog estão sendo úteis. Compreendo a sua preocupação quanto ao melhor atendimento a ser oferecido a seu filho. Em relação à escola, vc já buscou informações a respeito das adequações que estão sendo feitas para ele? Existe no colégio um serviço psicopedagógico para estar fazendo a previsão de atendimento para as necessidades específicas dele? Em relação ao atendimento psicopedagógico os resusltados são graduais e muitas vezes se revelam primeiro no resgate da auto-estima, nas relações sociais e posteriormente nos avanços cognitivos. Quanto ao atendimento da fono este é essencial pois ele vai aprender a discriminar melhor os sons, e fazer exercícios práticos voltados para as dificuldades que ele apresenta. Os dois trabalhos são importantes, se tranquilize, o importante é manter uma frequência e não ficar mudando o tipo de atendimento constantemente. Quanto a aprendizagem dele, pode confiar ele tem potencial como todos nós, só precisa de alguns cuidados a mais. Vc está no caminho certo com certeza! Felicidades.

    ResponderExcluir
  22. olá andrea , meu filho após ser reprovado da escola onde frequentava , iniciou acompanhamento com a fono tem tido respostas positivas efoi diagnosticado disortografia , disturbios de linguagem entre outros . é uma criança bastante extrovertida que aparentemente nunca imaginei que teria essas dificuldades, falta o exame do pac que estarei realizando em breve .a minha duvida é como a escola poderá conduzir o caso , uma vez que não apresentam nenhuma proposta pedagógica efetiva para esse tipo de aluno ? estou perdida . devo conversar com a professora para acompanhar seu desenvolvimento . pois até onde percebi a escola não visualiza a questão como possivel entre os alunos . teresinha

    ResponderExcluir
  23. Olá Terezinha,
    Existe uma diversidade grande em relação ao atendimento a crianças com necessidades diferenciadas da maioria dos alunos.Posso adiantar que, aqui em Brasília, se for escola pública ele receberá atendimento com a pedagoga da escola que integra o Serviço Educacional de Apoio à Aprendizagem - SEAA. Ela também é responsável em orientar os professores e montar as adequações para crianças com dificuldades de aprendizagem.Se este não for o caso, você poderá recorrer também à profissionais particulares (psicopedagogo) que orientarão a escola no trabalho que precisa ser desenvolvido. Espero ter contribuído. Felicidades Andréa

    ResponderExcluir
  24. Olá Andrea,

    Obrigado pelos esclarecimentos, e quanto as tuas perguntas estou sempre acompanhando a escola e eles tem se mostrado bastante preocupados e também tentando fazer o possível para ajudar, agora ele começou aulas de reforço, e isso é bom por que a professora trabalha mais especificamente com ele, e a psicopedagoga está em contato com a escola, e coloquei também ele em uma professora particular, espero que estejamos fazendo o possível pelo nosso filho, agora estou tentando o atendimento com a fono, que também acho imprencidivel, muito obrigado e parabéns novamente pelo blog.
    Abraços,
    Deisi

    ResponderExcluir
  25. Que bom Deise, parece que vc realmente tem feito a sua parte! Os resultados virão com certeza. Boa Sorte, qualquer outro esclarecimento estou a sua disposição.

    ResponderExcluir
  26. Olá Andréa, meu filho foi diagnosticado com DPAC, tem 14 anos e é muito inteligente, só que enfrenta algumas dificuldades na escola, e as vezes não ouve todos os recados que são de seu interesse ficando assim as vezes meio perdido no tempo.Gostaria de saber se tem dicas de sites com atividades que possam ajudá-lo na internet, já que ele tem muita facilidade em inglês e informática.Beijos Silva

    ResponderExcluir
  27. Olá Silvia, infelizmente não tenho indicação de sites, mas você já deve saber que o DPAC é reabilitável por isso é importante o trabalho com fonoaudiólogo e com psicopedagogo. Esta parceria pode contribuir muito para superação das dificuldades do seu filho. Abraços Andréa

    ResponderExcluir
  28. Olá Andréa, meu filho foi diagnosticado com DPAC, ele tem 6 anos depois de tanta insistência , passou por vários profissionais inclusive está agora c uma terceira neuro pediatra, passou p vários tipos de profissionais e ja está saturado de tanto médico(acharam que era dislexia, dislalia, TDAH.....inclusive chegou a ser medicado com ritalina de forma desnecessária). Enfim agora ele foi recém-diagnosticado com DPAC e o tratamento é feito através de uma fono e psicopedagoga agora minha dúvida: existe casos que o DPAC é tratado com medicamentos? Agradeço muito a sua atenção.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, o tratamento de DPAC não é medicamentoso, a não ser que exista algum outro motivo p isto. O tratamento terapêutico, com você mesmo disse é feito com a fono para reabilitação e com a psicodagoga para superação das dificuldades escolares. Qualquer dúvida estou a disposição, 84805222
      Andrea

      Excluir
  29. Boa Tarde meu filho foi diagnosticado com processamento auditivo central o melhor acompanhamento e com o fonodiologo

    ResponderExcluir
  30. Olá Heloísa,
    O acompanhamento com o fonoaudiólogo é muito importante para reabilitação auditiva. Somado a este atendimento o psicopedagogo pode contribuir na superação das dificuldades escolares apresentadas (se for o caso), no resgate da capacidade de aprender, no desenvolvimento de estratégias de superação das dificuldades, etc... Qualquer coisa é só entrar em contato. Obrigada

    ResponderExcluir
  31. Ola Andréa ! minha filha de 8 anos foi diagnosticada com DPAC no ano passado. e estou tendo dificuldades em conseguir acompanhamento correto na escola. pois esta né uma turma super lotada, e como tudo isso e muito novo ainda não conheço os direitos que ela tem em ser tratada corretamente. peso que se puder me oriente no que devo fazer. pois não posso muda-la de escola. foi muito bom encontrar alguém que realmente se preocupe com nossas crianças. um abraco aguardo resposta.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Felipe, a escola precisa fazer uma adequação curricular para sua filha fazendo os ajustes necessários para o atendimento em sala. Se Preferir conversar sobre a situação meu e-mail é: andrawma@yahoo.com.br, meu Cel:(61)84805222

      Excluir
  32. Olá Andréa! Meu filho foi diagnosticado com perda do PAC. Estou à procura de uma boa clínica ou fonoaudióloga para tratá-lo. Moro em Sobradinho, mas teria disponibilidade de fazer o tratamento na asa norte. Você teria alguma indicação? Juntamente com a fono, gostaria do acompanhamento de uma psicopedagoga, você teria disponibilidade? Onde você atende? Poderia me repassar seus contatos de e-mail ou telefone? Obrigada.

    ResponderExcluir
  33. Olá, Guto e Alessandra, tenho uma pessoa otima que pode contribuir muito com vocês, mandem-me por favor oemail para que eu possa enviar o contato, andrawma@yahoo.com.br. Eu atendo em Taguatinga, a gente conversa melhor por email Ok?

    ResponderExcluir
  34. Boa Noite, Gostaria de parabeniza la pelo site, e por aqui oferecer oportunidade de tirar nossas dúvidas e acrescentar informações e conhecimento. Minha filha tem 6 anos e foi detectado agora que tem pac, o laudo ainda não está pronto, mas a médica me andiantou que o resultado seria de moderado a severo. Minha filha faz acompanhamento com fono que foi quem indou o exame, eu como mãe jamias imaginei que minha filha teria esse problema porque a fono antiga foi algo que não deu muito certo. Minha dúvida é a seguinte eu troquei minha filha de escola por achar o método da antiga escola muito atrasado e nessa nova escola as crianças são alfabetizadas no jardim II, e ela está agora no 1° ano/9 ou seja se alfabetizando em casa com professora de reforço para ajudar na escola, a questão é que a dificuldade de minha filha é muito grande em português que foi o que tirou nota de 4,5 no total e nas outras materias 9,8 e 8,2 Minha filha é muito esforçada mas a professora a ve como preguiçosa. Sexta feira adiantei para a professora sobre o que a médica me disse.Mas não me levou muito a sério ela não tem muita calma e paciência continua correndo com o conteúdo de minha filha porque ela diz que tem que acompanhar a turma e vai atropelando algumas coisas no caminho...Em casa meu irmão estimula minha filha com livros de trava língua, ela adora e consegue ler sozinha e sem auxílio com dificuldade, mas le, mas chega na escola não lê, diz que esqueceu, diz para a professora que nunca viu. Quando a professora vêm ela oferece estímulos e ela lê sozinha sem auxílio com dificuldades mas lê. Como devo me proceder na escola? Quando iniciei o tratamento com a fono este ano adientei como a professora era e disse que marcaria um reunião com a coordenadora depois que tivesse o laudo...Quero saber como a professora deveria se proceder pois ao meu ver não está preparada nem acostumada com isso. Não queria ter que mudar minha filha de escola para não sofrer. Qual seria o amparo que a escola deveria me dar juntamente com minha filha? Tudo isso é novo para mim. Na escola Antiga ( Adventista) eles tinam uma preocupação e davam atenção especial para as crianças e respeitavam o seu limite. Como saber se estão forçando muito minha filha? Ela estuda hoje em escola católica. Que preza muito pela atenção e comportamento. Estou muito perdida onde devo buscar mais orientações. Moro em Belém do Pará.

    ResponderExcluir
  35. Olá Andreia, sugiro que vc procure a orientação de um psicopedagogo para mediar sua relação com a escola, algumas questões podem ser resolvidas com uma conversa tranquila e esclarecedora. Como já disse em comentários anteriores sua filha tem direito a adequação curricular e este é o profissional mais indicado para ajudá-la neste momento. A relação família/escola deve ser mantida com vínculo de confiança, assim sua filha ficará mais livre e confortável para aprender,,, se precisar de maiores esclarecimentos envie p meu email: andrawma@yahoo. com.br. Se precisar de orientação online podemos conversar pelo skype. Boa sorte.

    ResponderExcluir

Deixe aqui a sua contribuição, comentários, dúvidas ou sugestões a respeito do Blog.